A História do ‘Tamborzão’, a Levada Que Deu Cara ao Ritmo do Funk Carioca

Descobrimos uma entrevista em vídeo dos DJs Luciano Oliveira e Cabide em que eles explicam como criaram o chamado batidão – uma mistura de electro com a sensualidade do samba.

|
ago 20 2014, 6:27pm

A invenção do beat conhecido como “tamborzão” certamente tem tudo a ver com a admiração que os gringos nutrem pela vertente do electro que, lá fora, ficou popular pela tag de “favela beat”. Nem sempre foi assim. No começo dos anos 1990, a levada dos bailes funk produzida por aqui usou à exaustão o famoso loop do Volt Mix, lançado em 1988. Foi somente em 1997, quase dez anos depois, que o DJ Luciano Oliveira (conhecido pela geração mais nova como MC Sabãozinho) criou, em parceria com o DJ Cabide, uma variação da batida. Ao atribuir uma vibe de sensualidade e groove tropical brasileiro àquela dinâmica, ele não só revigorou o estilo à época sustentado pelos compassos chupinhados do single de Mark Rogers aka DJ Battery Brain, como abriu caminhos para uma identidade sonora local.

Nascia, então, uma espécie de Miami Bass com espírito de escola de samba. E isso só foi possível por conta de experimentos com a bateria eletrônica R-8 MK-II. O tamborzão veio na mesma cadência do atabaque (“tum-pá-pá-pum-pá”). Aos poucos, foi sendo agregado de outros elementos, mudanças de pitches, sons percussivos, e assim, passado de DJ pra DJ, disseminou-se, conquistou as festas do Rio de Janeiro e, mais tarde, deu a cara do ritmo do funk carioca para o mundo. A primeira inserção dessa batida foi num rap da dupla Tito e Xandão, registrado no CD Lugarino Apresenta os Melhores da Zona Oeste.

A história toda está contada neste vídeo que o DJ Cabide publicou no Youtube e que o Leo Justi relembrou no Facebook. Se liga aí na fita.

Segura que tem mais batidão:

Uma Mixtape do Sany Pitbull para Explicar como o Windows 95 Transformou o Funk Carioca

Sany Pitbull Resgata o Festival de Galera na Mixtape "Caixa De Pandora Vol. 2"