Quantcast

Tuna e Renegades of Punk celebram a amizade no split EP 'Grão'

Ouça as faixas do disco que conta com duas das mais empolgantes bandas do novo punk tupi.

Eduardo Ribeiro

Eduardo Ribeiro

O split EP Grão promove o encontro de duas das mais empolgantes bandas do punk nacional recente. São elas o Renegades of Punk, de Aracaju (SE), e o Tuna, cujos integrantes espalham-se entre Itanhaém e a capital paulista. Com direito a uma belíssima arte do Flávio Grão, o disquinho vem com três faixas, duas do Renegades ("Isopor", que você ouve no player a seguir, e "A Dança") e uma do Tuna ("Despesos Deslevezas Desvida"). "Em linhas gerais, trata de amizade", explica a guitarrista e vocalista do Renegades, Daniela Rodrigues.

"O Tuna é uma banda querida demais e que tem um caminho que cruza o nosso em vários momentos. Temos um sentimento mútuo de carinho. Sabíamos desde sempre que faríamos algo temático e pautamos todo o conceito do disco nesse sentido, sem uma banda saber exatamente como a outra desenvolveria a sua parte até o momento em que participamos uma da música da outra." – a Daniela colabora com vocais na música do Tuna, assim como a Andreza, vocalista do Tuna, participa das gravações do Renegades.


Tuna. Foto: Marina Knup

A faixa com a qual o Tuna entra aqui ilustra bem a temática da amizade, aprofundando-se nos relacionamentos interpessoais. "Fala das decepções e alegrias desse aspecto das nossas vidas, de como afeto é condição de vida", desenrolam os músicos por escrito. "A letra tem um pouco da ideia de fingimento do Fernando Pessoa (o sentimento em si é intransferível e compartilhá-lo é sempre um exercício de tradução da linguagem pessoal para a interpessoal) e um pouco disso que o Baumann chamou de amor líquido, da dificuldade de construir laços."

A sonoridade de ambas as bandas se difere de tudo o que se espera de linear e casual no punk rock. Não conte com velhos clichês musicais ou panfletários. Espere por um punk rock apaixonado, aventureiro, divertido, melodioso, urgente e sensual. Nas palavras do Tuna: "Uma abordagem mais ligada ao pessoal, aos sentimentos, ao cotidiano e aos modos de encará-lo e vivê-lo, sem perder o senso crítico nem a possibilidade de alegria, de denunciar o que há de horrível nesse mundo horrível, mas fornecendo uma visão empoderadora e mais positiva de como tentar manter algo saudável nesse ambiente adoentador em que vivemos."

A carga emocional e a poética libertária que o Tuna tem sido capaz de injetar em suas músicas resulta nitidamente de um apuro natural da sensibilidade criativa de integrantes que passaram por grupos expressivos como Execradores, One Day Kills e Amor, Protesto y Ódio. O primeiro álbum, O Mudo Mundo Com a Nossa Voz, foi gravado em 2011; Dupla Face, em 2013. Eles têm mais duas faixas guardadas, concebidas antes das sessões do EP, que deveriam entrar num outro split, com o Alarm. Mas o plano não virou e as composições permanecem sem destino certo por enquanto.


ROP. Foto: Marcelinho Hora

Já o Renegades of Punk, tanto liricamente como musicalmente, segue pendendo para um lado melancólico, que até existia nas composições antigas, mas que se equilibrava com um ingrediente de raiva mais urgente. Há, também, algo de ceticismo ganhando espaço nas criações recentes. Fora isso, o conjunto continua trabalhando na finalização de novas músicas e na pré-produção de um novo álbum, pensado para 2017. Para a nossa alegria, ano que vem o trio completará 10 anos, e a Daniela adiantou que "algumas outras boas ideias ainda estão no forno".

Grão (Split EP Tuna & ROF) está à venda pela No Gods No Masters Distro.