13 Anos de Pura Malícia e Estilo: Entrevistamos o MC Brinquedo

Depois das participações nos clipes do MC Bin Laden, o MC Brinquedo estourou com seu lançamento "Boquinha de Aparelho" e já tem tanto fã na cola que ele não consegue mais sair na rua.

|
set 15 2014, 1:43pm

Ele entra na sala. Cabelo penteado com gel, relógio no pulso e perfumado – cada detalhe impecável. O visual de estrela chama todos os olhares para baixo, onde Vinícius se encontra, em seu um metro e meio de altura. A idade ele responde rapidamente: 13 anos. O polêmico cabelo tingido de rosa e azul pelo qual ficou conhecido já tinha dado lugar a um novo look, loiro platinado. Nem um só fio fora do lugar. Nos pés, um AirMax branco novinho, tamanho mais ou menos 34. Vinícius parecia ainda mais novo pessoalmente, e a timidez ao se apresentar deixou claro que essa era uma de suas primeiras entrevistas. Simpático e educado, antes mesmo de começar a conversa o moleque já havia me conquistado.

Vinícius, o MC Brinquedo, brilhou aos meus olhos pela primeira vez no vídeo de “Passinho do Faraó”, do MC Bin Laden. Pra quem não chegou a ver, o vídeo consistia no MC cantando um loop enterno de “o faraó saiu da tumba”, enquanto outras crianças dançavam de modo esquizofrênico ao som de um “tchuntchuntcha” cantado por um menino no fundo. O negócio inteiro, cada detalhe, é uma daquelas coisas absurdas que por algum motivo te deixam fascinado com a internet.

Não demorou muito para Brinquedo lançar sua primeira música, a cativante “Boquinha de Aparelho”: “Tu vai lamber, tu vai dar beijo, tu vai mamar com essa boquinha de aparelho”. Com uma média de 15 fotos postadas por dia na página do Facebook, o uso intenso das redes sociais é a principal arma de promoção dos MCs de funk atualmente. Há pouco tempo na cena, Brinquedo conta com quase 100 mil curtidas no Facebook e cerca de dez mil seguidores no Instagram. Minha parte preferida são os vídeos, a maioria mandando recados para as fãs e agradecendo a Deus pelo sucesso na carreira.

Fui entrevistar Vinícius na KL Produtora, na Zona Sul de São Paulo. Chegando lá, encontrei não somente ele, mas vários outros MCs (o mais velho deles deveria ter uns 17 anos de idade). A KL, assim como as outras produtoras, é uma espécie de coletivo ou selo que descobre novos MCs nas ruas, e leva eles para o estúdio. Ela também é responsável por fazer os vídeos, aqueles ostentando joias, carros zero, acessórios da Oakley e mulheres gostosas. Disso tudo Vinícius entende, mas aos 13 anos de idade seu tema preferido é mesmo sexo.

Noisey: E aí Vinícius, tudo bem? Queria começar sabendo um pouco mais sobre você. Me conta quem é o MC Brinquedo.
Mc Brinquedo:
Peraí que eu tô um pouco nervoso [risos]. Sou o Vinícius Ricardo, conhecido como MC Brinquedo. Tenho 13 anos de idade, sou funkeiro e compositor. Nasci em São Paulo e moro na Vila Natal, Zona Sul.

E o que você faz além de cantar?
Nos dias de semana eu vou pra escola, estudo da sete às onze da manhã na Escola Airton Oliveira Sampaio. [“Mentira, ele não estuda não”, o amigo MC 2K grita de longe].

Eu não estudo porque meu empresário não deixa. Brincadeira, não vou queimar ele não [risos]. Nas horas vagas fico no WhatsApp, no Facebook e no Instagram, durmo... Às vezes venho aqui pra KL pra ensaiar, tirar fotos, fazer vídeos. Fico aqui com meus amigos.

Em qual rede social você mais gosta de postar e interagir com os fãs?
Meu preferido é Instagram. Sou viciado. Eu posto lá e tenho ajuda de uma assessora aqui da KL que mexe no meu Instagram também. Lá eu respondo os fãs. No Facebook, vou ser sincero, não dá pra responder não. É muito, trezentas mensagens por dia. Tem um assessor aí também que mexe no meu Face, mas não dá, é muita gente falando. O Twitter eu nem uso muito.


MC Bin Laden e MC Brinquedo.

Você acha louco ter tantos seguidores?
Eu acho legal, né. Pra quem tava ali na esquina cantando, de repente... Eu não imaginava isso. E até hoje eu vejo e pra mim não é normal. Eu acho que eu ainda não sou o que os outros pensam, eu ainda quero ser mais famoso. Acho que eu tô começando ainda.

Falando nisso, como você começou a cantar? Como é que te descobriram?
Comecei na esquina da minha casa rimando com os meus amigos, aí teve um amigo meu, o Douglas, que falou “caramba, você tem talento!”. Meu padrinho, que é o MC 2K, me viu cantar e falou “compareça aqui no escritório da KL”. Eu vim, gostei, fui bem recebido a até hoje eu tô aqui. Faz oito meses já.

Você já ouvia funk antes?
Já ouvia sim, ouvia Michael Jackson [risos]. Ouvia funk das antiga também, “vai lacraia, vai lacraia”.

E a sua família, apoia sua carreira? Como eles se sentem sobre isso?
Apoia sim. Minha mãe [que tá ali ó: ô mãe!] tá sempre nos shows comigo. Quando eu comecei eles não gostaram muito da ideia, mas agora aprenderam a curtir.

Como é fazer shows pra um montão de gente?
É bom né, ter a sensação do povo gritando por você. Perdi meus óculos aí esses dias. Aí, podem devolver meus óculos, tá? Fui num baile aí, puxaram meus óculos. Foi uma fã doidona [risos].

Uns dias atrás no Twitter você falou que o seu sonho é se formar na escola. Mesmo com o sucesso, que vem crescendo cada vez mais, você pretende continuar estudando?
Hoje eu nem consigo mais sair na rua. Na minha própria rua! Esses dias eu fiz um vídeo lá com o meu padrinho. A gente saiu de carro e fomos dar uma volta com o carro de um assessor meu. Quando a gente virou a esquina já começou a galera parar pra pedir foto. É assim em todo lugar que eu passo. Na escola também, por isso preciso até sair mais cedo às vezes. É muita gente em cima. Este mês a minha mãe vai ir atrás de uma escola particular. Que tipo assim, por exemplo, eu estudo de manhã e aí as vezes tem baile que é domingo à noite. Se no outro dia eu não conseguir ir pra escola aí eu vou poder repor à tarde também.

E as fãs da escola? Vi uma entrevista com o MC Pedrinho em que perguntaram se ele já andava pegando geral e ele falou que por enquanto ele só foca na carreira profissional – meninas só quando ficar mais velho. A mãe dele não gosta da ideia. E você, é a mesma coisa?
Eu sou diferente. Eu foco na minha carreira bastante. E também nas meninas.

As letras das músicas que você escreve são bem explícitas. Como é o processo de criação delas? Como você definiria seu estilo?
Faço funk ousadia. Falando de mulher. Ou funk putaria. Pra escrever, tenho ajuda do meu padrinho. Tem o MC Bin Laden, que eu considero como meu pai, ele me ajudou a fazer “Boquinha de Aparelho”. Tenho ajuda do escritório aqui também. Eu escrevo e venho aqui, apresento pro meu empresário, e eles veem se tá da hora. Aí nós fazemos os vídeos. Essa parte eu curto muito, fico doidão!

Qual é o seu artista preferido? Seu sonho de participação? Não precisa ser de funk.
Ah, o Justin Bieber. Também tem o MC Lon, mas eu já fiz participação com ele. Esse sonho eu já realizei.

E que tipo de música você escuta normalmente?
Eu escuto todos tipos de música. De funk a sertanejo. Só não escuto tipo samba, forró e rock. Escuto MCs das antiga e Justin Bieber.

Pra encerrar, me conta um pouco sobre seu estilo, seu cabelo...
Para todos meus fãs aí que curtem meu trabalho e da KL Produtora, eu tô aqui pra avisar que o cabelo que vocês viram lá, rosa e azul... Vai voltar! Vai voltar porque é meu estilo, minha marca. Minhas roupas eu que compro, compro de fora. Também tem minha mãe que é costureira e faz umas coisas pra mim. Tem que ter né, um estilo da hora. Meu estilo é assim, doidão! É isso que meus fãs gostam.