Reportagens

Veja A Experiência De Dança Surreal De Daito Manabe Para "Eclipse/Blue" Do Nosaj Thing [Estreia]

Noisey

By Abdullah Saeed

0

Tivemos a chance de ascender ao mundo dos sonhos sonoros de Nosaj Thing no nosso The Creators Project: Nova York 2011, onde ele se apresentou ao lado de algumas instalações fantásticas como Six-Forty by Four-Eighty de Zigelbaum + Coelho e o boneco mímico do Team Dis-Kinect. Envolvido numa dança sutil com seu MPD32, Nosaj teceu um set palpitante e melancólico em frente a visuais projetados. Apesar de ter sido uma experiência ao vivo surreal, o componente visual daquela apresentação nem se compara ao que Daito Manabe imaginou para a música "Eclipse/Blue" do produtor.

Com apoio do Creators Project, e em colaboração com a coreografa MIKIKO da banda Perfume, Manabe criou um ambiente virtual dinâmico para servir como pano de fundo para as bailarinas, com seus movimentos no palco sendo amplificados pelos gráficos atrás delas, fazendo com que cada ação pareça maior e mais emocionante.

Você deve conhecer Manabe por seu incrível projeto Electric Stimulus, no qual ele controlava o som usando movimentos musculares, uma técnica que ele utilizou recentemente em seu vídeo para "Straight and Arrow” do Falty DL. Para “Eclipse/Blue” esse conceito foi ampliado para a bailarina, com os intrincados visuais reagindo a cada um de seus movimentos.

Conversamos com Manabe e Nosaj Thing para saber mais sobre a ciência por trás dessa experiência visual.

DAITO MANABE

Assistindo ao vídeo fica difícil dizer se estamos vendo uma performance de dança ao vivo com uma projeção sobre ela ou se os gráficos e a dança foram combinados depois. Como esses componentes se unem na verdade?
É tudo performance ao vivo. Usamos uma câmera Point Grey de alta velocidade para rastrear a bailarinas e depois irradiamos os visuais a partir do corpos delas.

Existe uma história por trás da coreografia e da estética visual do vídeo? Como isso se relaciona com a faixa de Nosaj Thing?
Nos inspiramos na estrutura de um eclipse solar. A bailarina que dança na frente da tela é o sol, a outra atrás da tela é a lua. A configuração “projetor – bailarina – tela” também é inspirada nessa estrutura.

A criação desse vídeo empregou algumas das técnicas ou da ideologia por trás de Electric Stimulus ou do seu vídeo mais recente para o Falty DL?
Nos inspiramos em Klaus Obermaier e no projeto "Apparition" do Ars Electronica Futurelab. O sistema é quase o mesmo. A diferença é que uma bailarina dança atrás da tela.

NOSAJ THING

O que fez você escolher essa música como o single do seu novo disco?
Essa é a música que estabelece o tom do álbum. A Kazu [Makino do Blonde Redhead] estava no topo da minha lista para essa música. É incrível como tudo deu certo.

Já se passaram três anos do lançamento de Drift, que teve um efeito enorme nos ouvintes e construiu uma grande expectativa para o lançamento seguinte. O que mudou na sua produção com o passar desses anos? Alguma surpresa sonora que não se reflete no meu trabalho mais recente com remixagens? Algum novo equipamento ou tecnologia?
Tudo que aconteceu durante esse tempo afetou minha produção, viagens, mudanças recentes na minha vida, tudo. Gravitei ao redor de diferentes ritmos e sons com esse álbum, gastando a maior parte do tempo com arranjos e mixagem. É um disco muito pessoal.

Qual a razão para esperar tanto tempo para lançar um novo trabalho? 
Fiquei preso numa turnê. E também não esperava tudo o que aconteceu com o “Drift”, então levou um tempo para ajeitar todas as coisas.

Descreva o Innovative Leisure em três palavras.
Nova Visão Aberta.

@ImYourKid

Comentários